• EditoraMatarazzo05Banner0000.png
  • EditoraMatarazzo05Banner0007.png
  • EditoraMatarazzo05Banner0008.png
  • EditoraMatarazzo05Banner0009.png
  • EditoraMatarazzo05Banner0010.png
  • EditoraMatarazzo05Banner0011.png
  • EditoraMatarazzo05Banner0012.png
  • EditoraMatarazzo05Banner0013.png
  • EditoraMatarazzo05Banner0018.png
  • EditoraMatarazzo05Banner0019.png
  • EditoraMatarazzo05Banner0021.png
  • EditoraMatarazzo05Banner0022.png
  • EditoraMatarazzo05Banner0023.png
  • EditoraMatarazzo05Banner0090.png
  • EditoraMatarazzo05Banner0100.png
  • EditoraMatarazzo05Banner0110.png
  • EditoraMatarazzo05Banner0120.png
  • EditoraMatarazzo05Banner0130.png
  • EditoraMatarazzo05Banner0140.png
  • EditoraMatarazzo05Banner0150.png
 
       
 
  Como uma das cidades mais antigas do Brasil, Santos conta com um rico e variado acervo de bens culturais, que retratam as peculiaridades e o modo de vida do povo santista. E o que dizer, então, dos personagens aqui nascidos, ou que escolheram esta terra acolhedora para viver. Santista que é santista, mesmo os de coração, troca o pronome “você” por “tu”, mas não conjuga o verbo de maneira correta - e há quem diga que ele puxa o ‘s’ ao final das palavras, emitindo um som como se fosse ‘ch’ ou ‘x’. Esse jeitinho peculiar do santista falar é motivo de valorização da cultura local. Ele é o nosso dialeto. Ao usarmos o “tu”, mesmo que para muitos pareça estar errado, estamos reafirmando os nossos valores. Não há motivo para nos envergonhar disso, pois o santista é trilíngue. O português do santista é um “português brasileiro santista”. Ainda, quando vai à padaria, o santista pede ou um pão de cará ou uma média (o famoso pão francês). Também, não se localiza por bairros: os canais são as melhores formas de se achar na cidade. Enfim, aproveitando essas e outras particularidades, a Editora Matarazzo organizou em parceria com o Clube do Choro de Santos, a coletânea Vamos Falar de Santos?, um projeto que, ao contar histórias de nossa gente e destacar aspectos diversos de nosso patrimônio cultural, contribui com a divulgação e valorização de nossas riquezas materiais e imateriais. Temos plena convicção que nenhuma nação será desenvolvida economicamente se não forte e soberana culturalmente. E nenhuma cultura será forte sem a preservação de sua história. Assim, nossa modesta pretensão neste livro, foi apenas de estimular mais um olhar sobre a cidade e seus moradores, suas histórias e costumes, entender porque ela é como é, sob a ótica de valorizar e resgatar uma pequena porção desse caldo cultural.

Por Marcello Laranja e Luiz Pires.


CAPÍTULOS / ASSUNTOS

KI-FRANGO,
Marcello Laranja

“A VOZ DO MAR”,
Luiz Antônio Pires

A CANTORA LINDA BAPTISTA EM SANTOS,
LEILA SILVA: A SOBERANA DOS MÚSICOS SANTISTAS
Thais Matarazzo

MEU BATIZADO NO MONTE SERRAT
Neide Lopes Ciarlariello

CULTURA, EDUCAÇÃO E CIDADE
Marcos R.S. Tavares

JAZZ NO SEU PEPE
Renê Ruas

SATURNINO DE BRITO
Edson Santana do Carmo

EXTENSÃO É CULTURA: DO ENSINO DE MÚSICA AO DE CIÊNCIAS
Ricardo Caneloi dos Santos, Marcelo Zanotello, Luiz Antônio Pires e Marcos R.S. Tavares

UM JOVEM ESTUDANTE NA SANTOS DOS ANOS 80, 90
Luiz Sales do Nascimento

NO BRANCO E PRETO O COLORIDO DA ARTE,
Jotarelli

ESCOLA DE CHORO E CIDADANIA “LUIZINHO 7 CORDAS”
Luiz Fernando Costa Ortiz e Luiz Pires

JOSÉ BONIFÁCIO UM ESTADISTA DOS TEMPOS ATUAIS
José Geraldo Barbosa



TÍTULO: VAMOS FALAR DE SANTOS?
ISBN: 978-85-69197-17-4
AUTORA: coletânea
EDITORA: Matarazzo
IDIOMA: Português
ENCADERNAÇÃO:
Brochura P&B. Papel miolo couchê fosco 90gr/m².
ILUSTRADO: Sim
FORMATO: 14 x 21 cm
PÁGINAS: 122
ANO DO COPYRIGHT: 2016
ANO DE EDIÇÃO: 2016
EDIÇÃO: